4288

Curso Presencial com transmissão simultâneas.

Pós-Graduação em Biologia Marinha
Modalidade: Presencial
Início: Fevereiro/2024
Duração: 18 meses - 360 horas
Local: Rua Tijuco Preto, 205 - Tatuapé

SOBRE O CURSO

O curso tem como objetivo abranger o entendimento da vida marinha desde sua complexidade ecológica, botânica e zoológica.

OBJETIVOS DO CURSO

1.1 Geral: 

Capacitar os profissionais com conhecimento de biologia marinha desde seu ecossistema ao conhecimento de plantas e animais

1.2 Específico:

Preparar o aluno para o trabalho em centros de manejo de animais marinhos, reabilitação, necropsia com animais marinhos, em aquários, Institutos de pesquisa e institutos vinculados ao PMP

PÚBLICO ALVO

Biologia, Medicina Veterinária, Zoologia, Ecologia, Zootecnia e áreas afins.

COORDENAÇÃO

eduardo-malavasi

CLIQUE PARA MAIS INFORMAÇÕES

Dr. Eduardo Malavasi

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

MÓDULO TEMA DA DISCIPLINA CH EMENTÁRIO BIBLIOGRAFIA
1 Ecossistemas marinhos 22h Água oceânica, Dinâmica de marés, massas de água, correntes oceânicas, correntes tropicais, Correntes equatoriais no Atlântico, Pacífico e Índico, Correntes de água temperada e fria de superfície e profunda, costão rochoso, entre marés, manguezal, estuários. - CASTRO, P. HUBER, M.E. Biologia Marinha, 8ª edição. McGraw-Hill Brasil, 2012

- GARRISON, T. Fundamentos de oceanografia. 4ª Edição. Gentaça Learning, 2010

- NYBAKKEN, J.W. Marine Biology. 6ª edição. Parsons Education do Brasil, 2004

- PEREIRA, R.C.; SOARES-GOMES, A. Biologia Marinha. 2ª edição, 2006

 

2 Química dos oceanos 22h Salinidade, Potencial Hidrogeniônico (pH), Turbidez, Transparência da água, Oxigênio dissolvido, Demanda Bioquímica de oxigênio (DBO), Material particulado em suspensão, Nutrientes inorgânicos, Oxigênio livre, Dióxido de Carbono, Nitrogênio, Argônio.

 

AMINOT, A.; CHAUSSEPIED, M. Manuel des Analyses Chimiques em Milieu Marin. Brest: CNEXO, 1983

- BAUMGARTEN, M.G.Z.; WALLNER-KERSANACH, M.; NIENCHESKI, L.F.H. Manual de análises em Oceanografia Química. Rio Grande. Ed. Da FURG, 1996.

- BAUMGARTEM, M.G.Z.; WALLNER-KERSANACH, M. NIENCHESKI, L.F.H. Manual de Análise em Oceanografia Química. 2 Ed. Rio Grande. Ed. Da FURG, 2010.

- BONETI, J. Medições oceanográficas de campo por satélites. In: Curso de Difusão Cultural “Noções sobre oceanografia”. 1995/1996, São Paulo: IO/USP, 2009.

- HERLÓN, R.F. PAULINO, W.D. Recomendações e cuidados na coleta de amostras de água. In: Informe Técnico N2. Ceará: Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Estado do Ceará, 2001.

- MACEDO, J.A.B. Métodos Laboratoriais de Análises Físico-Químicas & Microbiológicas: águas & águas. Juíz de Fora, MG: Ed. Universidade Federal de Juíz de Fora, 2001.

- STRICKLAND, J.D.H.; PARSONS, R.T. A Practícal Handbook of Seawater Analysis. 2 ed. Ottawa: Queen’s Printer, 1972

 

3 Física dos oceanos 22h Estrutura molecular e densidade da água, ondas de som e pressão, Luz, refração, reflexão, dispersão, eletromagnetismo, tensão superficial, viscosidade, calor específico, temperatura, pressão atmosférica, modelagem - LESSA, G.C.; CIRANO, M.; GENZ, F.; TANAJURA, C.A.S.; SILVA, R.R. Oceanografia Física. EDUFBA, 2009.

- MIRANDA, L.B.; CASTRO, B.M.; KJERFVE, B. Princípios de Oceanografia física de estuários. EdUSP. 2012.

- TALLEY, L.D.; PICKARD, G.L.; EMERY, W.J.; SWIFT, J.H. Descriptive Physical Oceanography. 6ª edição. 2015

- VON ARX, W.S. An Introduction to physical oceanography. Recadinho, MA: Addison-Weslei, 1962

 

4 Geologia marinha 22h Geografia e geomorfologia dos oceanos, principais acidentes topográficos do fundo dos oceanos, sedimentos, granulometria, tipos de rochas oceânicas

 

- BARNES, R.S.K. Estuarine Biology. The Institute of Biology's Studies in Biology. 1974

49, Edward Arnold, London: 73pp.

- RESECK, J. Marine Biology. Reston Publication Corporation Inc., Reston, 1979

 

5 Zoologia dos invertebrados marinhos 45h Filo Porífera, Filo Cnidária, Filo Ctenophora, Filo Platyhelminthes, Filo Ectoprocta, Filo Brachiopoda, Filo Molusca, Filo Annelida, Filo Sipuncula, Filo Nematoda, Filo Tardigrada, Filo Artrópoda, Filo Chaetognatha, Filo Echinodermata, Filo Hemichordata

 

- BRUSCA, R.C.; BRUSCA, G.J. Invertebrados. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

- FANSOZO, A.; NEGREIROS-FRANSOZO, M.L. Zoologia dos invertebrados. São Paulo: Roça, 2016.

- HICKMAN, C.P. Princípios integrados de zoologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

- PECHENIK, J.A. Biologia dos invertebrados. Porto Alegre: Arghus, 2016

- RESECK, J. (1979). Marine Biology. Reston Publication Corporation Inc., Reston: 257pp.

 

6 Zoologia dos vertebrados marinhos 45h Introdução aos cordatas marinhos, Urochordadas e Cephalochordatas, Craniata, Classe Chondricthyes, classe Actinopterygi, classe sarcopterygi, Testudinatas marinhos, crocodilianos marinhos, squamatas marinhos, aves marinhas, cetáceos, pinípides e sirênios - ARITIO, L.B. Atlas de zoologia – vertebrados. São Paulo: Ibero Americano, 2010.

- BENEDITO, E. Biologia e ecologia dos vertebrados. São Paulo: Roca, 2015

- HICKMAN, C.P. Princípios integrados de zoologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

- ORR, R.T. Biologia dos vertebrados. São Paulo: Roça, 2000

- POUGH, F.H. A vida dos vertebrados. São Paulo. São Paulo: Atheneu, 2008.

- RESECK, J. Marine Biology. Reston Publication Corporation Inc., 1979

-WILEY, J.; SONSDRING, M.J. The Biology of Marine Plants, Cambridge University Press, 1982.

 

 

 

7 Botânica costeira e marinha 22h Angiorpesmas marinhas, taxonomia, morfologia e ecologia, reprodução e ciclos reprodutivos, adaptações ao ambiente aquático e salino, vegetação de restinga, vegetação de manguezal. - BROTAS, V. Botânica Marinha. Associação de Estudantes da FCUL. 2000

- GRAHAM L. E.; WILCOX, L. W. Algae. Prentice Hall. 2000

- FALKOWSKI, P. G.; RAVEN, J. A. Aquatic Photosynthesis, 375pp. Blackwell Science Dawes, 1998.

- WILEY, J.; SONSDRING, M.J. The Biology of Marine Plants, Cambridge University Press, 1982.

8 Biologia pesqueira 22h Classificação da pesca, pesca de subsistência, pesca esportiva, pesca comercial, pescaria industrial, pesca artesanal, pesca de emalhe, pesca de arrasto, pesca de parelha, rede de cerco, pesca com vara e carretilha, cerco fixo, espinhel, prospecção pesqueira, amostragem biológica, distribuição e abundância, principais animais capturados por cada arte de pesca.

 

- FAO. FAO Catalogue of Fishing Gear Designs. Rome: FAO Fisheries and Aquaculture Department, 1980.

- FAO. Small-Scale Fishing Gear. Rome: FAO Catalogue. 1987

- GAMBÁ, M.R. Guia Prático de Tecnologia de Pesca. Itajaí: CEPSUL, 1994

- GARNER, J. How to Make and Set Nets. Oxford: Fishing News Books, 1986

- GIMÉNEZ, C.; MOLLINET, R.; SALAYA, J.J. La Pesca Industrial de Arrastre. Venezuela: Ed. Grupo Carirubana, 1993

- HAYES, M.L. Active Fish Capture Methods. In: NIELSEN, L.A.; JOHNSON, D.L.. Fishes Tecniques

- HUBERT, W.A. Passive Capture Tecniques. In: NIELSEN, L.A.; JOHNSON, D.L. Fisheries Tecniques. Bethesda: American Fisheries Society, 1983.

- KING, M. Fisheries Biology, Assessment and Management. Oxford: Blackwell, 1995

- KLUST, G. Fibras Ropes for Fishing Gear. FAO Fishing Manuals. Oxford: Fishing News Books, 1983

- LALLI, C.M.; PARSONS, T.R. Biológical Oceanography: an introduction. Oxford: Butterworth Heinemann, 1993

- LERMAN, M, Marine Biology: environment, diversity and ecólogo. Mello Park, California: The Benjamin/Cummings Publishing, 1986

- NÉDÉLEC, C.; PRADO, J. Definición and Classification of Fishing Gear Categories. Rome: FAO Fisheries Tecnical Paper, 1999

- SAINSBURY, J.C. Comercial Fishing Methods: an introduction to vessel and gears. Oxford: Fishing News Books, 1996

 

9 Manejo de animais marinhos em aquários 23h Instalações, sistema de transporte a vida, tamanho do recinto, cultivo de microalgas marinhas, cultivo de macroalgas marinhas, cuidados de invertebrados marinhos, cuidados de vertebrados marinhos, cuidados com a água do aquário, enriquecimento ambiental - CALADO, R.; OLIVOTTO, I.; OLIVER, M.P.; HOLT, G.J. Marine Ornamental Species Aquaculture. Ed. John Wiley & Sons, 2017

- CALFO, A.; FENNER, R. Reef invertebrates: An essential guide to selection. Care and Compatibility. Reading Trees, Monroeville, PA, 2003

- MOORHEAD, J.A.; ZENG, C.S. Development of captive breeding techniques for marine ornamental fish: A review. Reviews in Fisheries Science, 18. 315-343. 2010.

- SZB. Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil, Anais do 41 Congresso da SZB “Bem-estar animal em Zoos e Aquários: Conquistas e Desafios” Volume 1. 2017

10 Anatomia de animais marinhos 45h Tegumento, Esqueleto axial, esqueleto apendicular, sistema muscular, sistema digestório, sistema circulatório, sistema endócrino e imunológico, sistema nervoso, sistemas sensoriais, sistema excretor, sistema reprodutor - HILDEBRAND, M. GOSLOW, J.R. Análise da estrutura dos vertebrados. 2ª ed.  São Paulo: Atheneu, 2006

- KARDONG, K.G. Vertebrados: Anatomia comparada, função e evolução. São Paulo: Roça, 2011

- POUGH, F.H.; JANIS, CHRISTINE, M. A vida dos vertebrados. 4ª ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

- ROMER, A.S. Anatomia Comparada dos Vertebrados. Editorial Interamericana. 1966

11 Técnicas de Necropsia e coleta de amostras 22h Equipamentos para necropsia, sala de necropsia, exame externo, primeira incisão, segunda incisão, terceira incisão, abertura de cavidades, extração de órgãos, extração do encéfalo, avaliação macroscópica dos órgãos, coleta de amostras para exame histopatológicos, amostras para exames hematológicos, amostras para exame bacteriológico, amostras para exames de vírus, amostras para estudos moleculares - BRICEÑO, A.M.; MOLINA, M.; BRITO, Y.; MORENO, Y.; BRINEZ; O.M.; DUARTE, M.A.; ESTEVES, C.; ACOSTA, M.M. Técnicas de necropsia y toma de muestras en animales de experimentación: Una revisión bibliográfica y actualización. Rev. Del Instituto Nacional de Higiene “Rafael Rangel”, 49 (2). 2018.

- E LUCA, R. R. Manual para Técnicos em Bioterismo. São Paulo: Winner Graph, 1996. - JALMES, C.A.C. Control de Calidad de Animales de Laboratorio. Caracas: INHRR, 1997.

- IULIIS, G.; PULERÀ, D. The Dissection of Vertebrates: A Laboratory Manual. Elsevier. 2011.

- PELETEIRO, M.C.; FAUSTINO, A.; PISSARRA, H.; CORREIA, J.; SILVA, J.F.; DIAS-PEREIRA, P.; CARVALHO, T. Manual de Necropsia Veterinária. Ed. Lídel, 2016.

- SANTOS, J.A.; MELLO, M.R. Diagnóstico Médico Veterinário: colheita de material. São Paulo: Nobel, 1976.

12 Resgate e reabilitação de animais marinhos 22h Conceito, atendimento a campo, admissão e exames clínicos, manejos, comportamento animal, tratamentos não convencionais, fisioterapia, soltura, encaminhamento, coleção biológica
13 Poluição marinha e toxicologia 22h Conceito de poluição, Poluição por petróleo e hidrocarbonetos, poluição por plásticos e microplástico, poluição por pesticidas e outros componentes orgânicos biologicamente ativos, poluição por metal pesado, esgoto, resíduos radioativos, efluentes térmicos

 

- BENDALL, V.A.; BARBER, J.L.; PAPACHLIMITZOU, A.; BOLAM, T. WARFORD, L.; HETHERINGTON, S.L.; SILVA, J.F.; MCCULLY, S.R.; LOSADA, S.; MÃES, T; ELLIS, J.R.; LAW, R.J. Organohalogen contaminants and trace metais in Norte- East Atlântico porbeagle shark (Lamna nasus). Ma. Pollut. Bull. 85, 280-286. 2014

- BORDOU, A.; RIBEYRE, F. Mercúrio in the Ford web: Accumulation and Transfer Mechanisms. Marcel Decker, New York. 1997.

- CRAWFORD, C.B.; QUINN, B. Microplastic Pollutants. Elsevier, 2017

- FAO. Heavy Metals Regulations Legal Notice. No 66/2003. 2003.

- SOUTHWARD, A.J.; YOUNG, C.M.; FUIMAN, L.A. Avances in Marine Biology. Elsevier. 2006

14 Parasitologia de animais marinhos 22h Biologia dos parasitos, principais parasitos marinhos, protistas, helmintos, artrópodes, parasitos de peixes, parasitos de tartarugas marinhas, parasitos em aves marinhas, parasitos em mamíferos marinhos - NEVES, D.P.; FILIPPIS, T. Parasitologia básica. São Paulo: Atheneu, 2014

- NEVES, D.P. Parasitologia dinâmica. Rio de Janeiro: Atheneu, 2009

- NEVES, D.P.; BITTENCOURT NETO, J.B. Atlas didático de parasitologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

15 Reprodução de animais marinhos 22h Sistema reprodutivo masculino, Sistema reprodutivo feminino, ciclo reprodutivo, glândulas acessórias, gravidez e desenvolvimento, lactação, implantação da placenta, espermatogênese, oogênese, glandulas mamarias. Hormônios relacionados a reprodução - GONÇALVES, P.B.; FIGUEIREDO, J.R.; FREITAS, V.J.F. Biotécnicas aplicadas à reprodução animal. Ed. Varela, São Paulo. 2002.

- HAMLETT, W.C. Reproductiva Biology of South American Vertebrates. Springer. 1992.

- PRESTES, N.C.; LANDIM-ALVARENGA, F.C. Obstetrícia Veterinária. 2ª Ed. Guanabara Koogan. 2017.

- YOSHIDA, M.; ASTURIANO, J.F. Reproducción in Aquático Animals: From básica Biology to Aquaculture Tecnology.

 

METODOLOGIA:

As aulas serão síncronas com aulas presenciais a cada modulo, aulas a serem combinadas previamente com o docente de cada disciplina.

Podendo ser presencial e transmitida online simultaneamente.

 

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO:

Alunos formados em Biologia, Medicina Veterinária, Zoologia, Ecologia, Zootecnia e áreas a fim

 

SISTEMAS DE AVALIAÇÃO:

Para cursos de pós-graduação: avaliações semestrais. O aluno reprovado no módulo, terá direito a uma segunda avaliação. Ao término do último semestre, o aluno fará uma avaliação final.

 

CONTROLE DE FREQUÊNCIA:

Necessária a frequência mínima de 75%.

 

TRABALHO DE CONCLUSÃO:

Para cursos de pós-graduação é obrigatório apresentação de TCC ou artigo para publicação em revista.

 

CERTIFICAÇÃO: FACULDADE ANCLIVEPA SÃO PAULO

 

INSTITUIÇÃO DE ORIGEM: SPMV- Sociedade Paulista de Medicina Veterinária.

VALORES E FORMAS DE PAGAMENTO

Entre em contato com a secretaria para maiores informações sobre valores e condições de pagamento.

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

Para realizar a inscrição no curso de especialização da SPMV, o aluno deve preencher a ficha de cadastro:

"*" indica campos obrigatórios

Para uso interno. Por favor, não altere as informações contidas no campo acima.

Informações Pessoais

Nome*

Informações Profissionais

Outras Informações

Como tomou conhecimento do curso?*

Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
Normas e Descontos

1. A formação de turmas está condicionada a um número mínimo de alunos, podendo a IES seguir com alteração de data do curso;

2. A matrícula será efetivada pela ordem de inscrição; quando o número de inscritos exceder o número máximo de vagas previsto, haverá devolução da parcela paga aos candidatos excedentes;

3. Não haverá devolução da taxa de inscrição, exceto no caso de cancelamento do curso por conta da IES;

4. A matrícula será concretizada a partir da apresentação da documentação exigida conforme prazos estipulados em cada curso e do pagamento da parcela única (cursos intensivos) ou taxa de inscrição (cursos de longa duração);

5. Nos cursos que tiverem o investimento parcelado, os certificados serão emitidos pela secretaria somente após o pagamento da última parcela;

6. No caso de desistência do curso, antes do inicio das aulas, o aluno deverá se manifestar através de requerimento, evitando cobranças futuras, juros e/ou multas. A ausência do aluno às aulas não exclui a obrigatoriedade de pagamento das parcelas, caso não tenha requerido a desistência;

7. Para ingressar nos cursos de pós-graduação Lato Sensu o candidato deverá ser graduado em medicina veterinária.

Em que posso ajudar?