Startups brasileiras durante e após a pandemia, como estamos?

Issa Berchin

Issa Berchin

Gestor e palestrante na área de Gestão, Inovação e Sustentabilidade. Premiado três vezes em simpósios internacionais na Malásia, Itália e Portugal.

Quem acompanhou o ano de 2021 das startups brasileiras, notou que foi um ano memorável para o setor e bastante animador para todo o ecossistema de inovação do país. Acompanhado de inúmeros grandes investimentos, o mercado que já vinha aquecido encontrou um espaço entre a pandemia de COVID-19 para acelerar ainda mais o crescimento. Mas podemos nos perguntar o que acelerou essa evolução e estimulou os investidores?

Podemos pontuar algumas características chave para explicar um pouco do fenômeno desse mercado. Sua estrutura natural, que prevê um funcionamento menos burocrático e propenso a ideias mais inovadoras, além da cultura empreendedora que impulsiona a flexibilidade dos processos.

Outro fator chave é a inconformidade, esse que é um fator fundamental para a evolução de qualquer negócio, já que incentiva melhorias constantes e resultados mais satisfatórios. Juntamente com esses aspectos que vem do modelo das startups, temos o que seria para muitos o aspecto principal delas, a inovação. Além de fomentar “novas inovações” tecnológicas e mercadológicas, a pandemia de COVID-19 acelerou algumas mudanças já iminentes nos hábitos de trabalho das empresas e no estilo de vida das pessoas.

Em um momento como o lockdown e a pandemia de coronavírus, a inovação se fez mais do que necessária para que empresas se mantivessem no mercado, as inovações foram ainda mais essenciais para aqueles que além de se manter, cresceram em meio a tantas adversidades.

É claro que devemos ter sempre em mente os efeitos adversos da pandemia, com milhões de pessoas mortas em todo o mundo, outras dezenas de milhões de desempregadas e milhares de falências de empresas de todos os portes e setores em todo o mundo. Tivemos o desespero das bolsas de valores e aprendemos mais uma vez uma lição que de tempo em tempo se faz presente, caixa é rei.

Mas, e o mercado?

De acordo com uma pesquisa do KPMG e da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (Abvcap) em 2021 fundos de Venture Capital investiram 46,5 bilhões de reais em startups brasileiras, valor três vezes maior se comparado a 2020. Mesmo notando o aumento expressivo das startups em 2021, é normal que haja dúvida no momento de projetar um cenário melhor para o ano, porém com a análise de uma série de fatores que ocorreram e com estudos, a projeção é que a melhora de solidifique.

O primeiro fator que deve alavancar ainda mais o setor são os unicórnios, de acordo com o acompanhamento em tempo real realizado pela CB Insights, existem cerca de 1.066 unicórnios mapeados pelo mundo, que juntos são avaliados em 3,5 trilhões de dólares.

No Brasil o cenário não é diferente, com o recorde dos investimentos e crescimento das empresas o país acumulou mais 10 novos unicórnios, como C6 Bank, Olist e MadeiraMadeira. Esse crescimento implica em ainda mais investimentos e visibilidade ao país, portanto atraindo ainda mais receitas.

Podemos notar outro fator quando vemos que os mesmos setores que haviam tido grandes investimentos continuam em alta, como o setor de tecnologia que recebeu cerca de 30% do valor total investido em 2021 nas startups brasileiras. Outro setor em crescimento é o da saúde e biotecnologia, com o crescimento da preocupação da população sobre longevidade, o cenário da saúde não foge das projeções de crescimento e mais investimentos em desenvolvimento para os próximos anos.

Em 2022, alguns cenários desafiadores se desenham, como por exemplo, o aumento da inflação, a guerra na Ucrânia e as barreias protecionistas internacionais. Uma crise raramente se apresenta com possibilidades claras e de fácil predição, e seu final dificilmente é um ambiente organizado e calmo. Em vez disso, geralmente há um fim irregular, por isso é fundamental que você faça uma análise detalhada identificando em qual momento de uma crise você pode se encontrar. Apesar das imprevisibilidades, estes desafios representam momentos de reinvenção, reestruturação e reorganização das estratégias das empresas, que resultarão em alçar novas oportunidades de negócios.

E você, como tem se reinventado?

Subscribe to our Newsletter

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Compartilhe este artigo com seus amigos

Deixe um comentário